Belém continua quente

Podem investir em atrações turísticas, qualificação da mão-de-obra, melhorias nos transportes e tudo mais que uma grande cidade precisa para atrair visitantes e investidores, mas a principal atração da capital paraense é e vai continuar sendo ela, a sacanagem.

Em Belém se respira esbórnia, farra e claro, sexo. Talvez seja o calor, talvez seja a crônica falta de opções de lazer na cidade (amenizada nos últimos anos, vá lá), mas o fato é que os belemitas parecem mais propensos a putaria do que os demais moradores de regiões urbanas do país.

Festinha na casa de amigo, cerca de 20-25 convidados entre homens e mulheres. Após algumas horas de outra especialidade paraense: encher a cara, já é possível notar vários novos casais se formando por toda a parte. Não será surpresa nenhuma se daqui a pouco os banheiros estiverem ocupados por mais de uma pessoa ao mesmo tempo. E pode apostar que elas não estão consumindo substâncias ilícitas.

Bar rústico na beira do rio. Estilo de casa noturna tão típico de Belém quanto as boates com gente blazé são típicas de São Paulo. Geralmente as festas são animadas por bandas de pop-reggae, pop-rock ou pop-porcaria. O calor impera e as garrafas de cerveja grande (por apenas 3 reais) secam na mesma velocidade com que as pessoas começam a suar. Pronto, pode olhar pros lados agora. Ninguém parece ligar muito para as letras sofríveis das músicas executadas, o que interessa mesmo é se dar bem. Casais trocam beijos e as mais diversas modalidades de amassos como se esta fosse a última noite de suas vidas, como se no próximo final de semana (ou durante a semana mesmo) tudo não fosse acontecer igual, com exceção da pessoa que está sendo beijada, provavelmente outra.

Em Belém qualquer situação é propícia para o surgimento de uma relação afetiva/sexual. No trânsito, no supermercado ou no McDonald’s. Na adolescência, todo mundo sabia de alguma missa do horário X, na igreja Y que era a missa da paquera. Também nessa fase da vida, uma simples festa junina de escola poderia render um inesquecível quebra*. Com sorte, você pode sair acompanhado até de um show de heavy metal, ocasiões internacionalmente conhecidas por seus baixos índices de agarramento.

Se tiver oportunidade, conheça Belém. Faça os programas de turistão, visite os lugares históricos, prove as coisas de aspecto esquisito que nós chamamos de culinária típica (eu sou exceção, pois não gosto de quase nada), mas guarde suas forças para a noite, é nela que a cidade realmente acontece e onde você descobre como parar de reclamar do calor.

Anúncios

0 Responses to “Belém continua quente”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Fitas pessoais e umas opiniões definitivas incertas. Qualquer coisa, dá um alô no doda.doda@gmail.com

@dodavilhena

  • Olha a cara desse safado desse urso https://t.co/8vjMW8QaN3 9 hours ago
  • Que ódio quando as filas estão grandes e vem um funcionário abrir mais um caixa e fica aquele constrangimento de quem vai primeiro no novo 10 hours ago
  • Vai a Nova York nos meses de outono e inverno?? Esqueça bermudas! A Big Apple só costuma ter dias mais quentes nos meses de verão... 14 hours ago
  • impressionado com esse Youtube, tem tudo que você quiser de audiovisual por lá, vídeos sobre tudo! 14 hours ago
  • RT @IdeaFixa: Beijo não se abrevia. 19 hours ago
  • Tragam 27 Oscares para Tatá Werneck pela entrevista com o especialista arqueólogo 1 day ago
  • Nada é melhor que Tatá Werneck neste momento no Brasil 1 day ago
  • Caralho, a Tatá Werneck com o Caio Castro tá um Uruguai e Gana da copa de 2010 1 day ago

Encontre

Arquivão


%d blogueiros gostam disto: