Pá, pá, pá, pá, pá, pá, páááááááá

Desde 1947 o carnaval paraense assiste um concurso de “beleza e fantasia” que hoje em dia é uma das poucas tradições momescas que ainda sobrevive com fôlego em Belém. O “Rainha das Rainhas do Carnaval” reúne jovens gatas e gostosas (isso não é necessariamente uma regra) representantes de clubes sociais da cidade em uma disputa estranha, mas ao mesmo tempo muito divertida, onde ocorrem desfiles das candidatas apresentando suas fantasias e respectivas coreografias e/ou encenações teatrais referentes ao tema escolhido para o traje.

O acontecimento movimenta boa parte da sociedade local e criou uma indústria inusitada em torno do evento. Estilistas, coreógrafos, figurinistas, cabeleireiros, esteticistas, personal trainer, nutricionistas, pais de santo, enfim, é difícil um segmento profissional gay da cidade não participar da entourage de uma (ou mais) candidatas. Sim, entourage. Obter sucesso na disputa significa formar uma equipe em torno da cada uma das Rainhas de clubes que lutam pelo título de Rainha das Rainhas.

Por ser promovido pelo maior grupo de comunicação local, o concurso é, na verdade, um evento comercial com cotas de patrocínio vendidas para a iniciativa privada. Semanas antes do evento propriamente dito, a marca dos patrocinadores é exaustivamente exibida através do aparato midiático criado em torno das rainhas. E tome coquetel de apresentação das representantes de cada clube, visitas das rainhas às sedes das empresas patrocinadoras, chamadas na TV, anúncios no jornal e cobertura na web. É uma espécie de baile de debutantes com plumas e paetês transformado em entretenimento televisivo de massa. Sim, o concurso é transmitido ao vivo na madrugada de sexta-feira, geralmente umas duas semanas antes do carnaval. O horário é um tanto humilhante: depois de todo o “horário nobre da madrugada” da Globo, ou seja, Minissérie nacional, Jornal da Globo, 24 horas, reprise do Jô ou qualquer outra coisa que venha antes do Corujão.

Acompanhar os acontecimentos cafonas e/ou constrangedores de antes do Rainhas já é divertido, mas a noite do concurso é insuperável. Por toda a cidade, tias e vovós se reúnem em frente à TV para acompanhar os desfiles e comentar os detalhes do evento que é realizado no salão do maior clube social de Belém. Em outras casas, grupos de amigos se reúnem para se divertir com o trashismo da disputa (ok, uma chance para você advinhar em qual grupo me enquadro).

A transmissão é uma pérola televisiva do começo ao fim. Começa com um vídeo de apresentação das candidatas em trajes civis, seguido dos desfiles individuais de cada uma já incorporando suas personalidades carnavalescas. A cobertura é digna de Oscar: casal de apresentadores a rigor no palco, narrador, comentaristas especializados e repórteres de campo entrando ao vivo com as últimas dos bastidores. Os jurados, que em outros tempos eram estrangeiros que por uma fatalidade ou outra estavam na cidade, hoje em dia são profissionais de moda, beleza e da própria indústria do carnaval. Durante o concurso, a torcida velada dos telespectadores é por uma eventual queda de candidata, quebra de resplendor de fantasia ou tropeços e gafes na transmissão. Geralmente as três coisas acontecem em todas as edições.

No day after, o clima de mesa redonda futebolística se espalha por Belém. Todos comentam sobre a beleza da candidata do clube X, o acidente com a fantasia da menina do clube Y, a injustiça do resultado e até mesmo gozam amigos e parentes que torciam por candidatas de clubes derrotados. A participação dos dois maiores clubes de futebol da cidade no concurso também contribui para esse comportamento. O Remo, inclusive, é o segundo maior vencedor da história do concurso, já ganhou o título 12 vezes. Já o Paysandu nunca levou o caneco de purpurina pra casa. E acredite, alguns torcedores remistas realmente se orgulham disso.

Este ano o Rainhas acontecerá na madrugada do dia 9 para o dia 10 de fevereiro. Mais uma vez não estarei presente na cidade para acompanhar de perto o certame, a internet diminuirá em parte esta distância.

Para ter uma idéia da história toda, seguem alguns links:

Site oficial do concurso. Bem completo, tem fotos de todas as vencedoras desde 1947, pequeno resumo de cada ano, vídeos, fotos e notícias sobre a edição atual e anteriores. Ah, vai rolar transmissão on-line.

– Rainhas em desfile no You Tube:
http://www.youtube.com/watch?v=QwfGYbIqwrw

(eu sei que tem um monte de comunidades Rainha das Rainhas no Orkut com mais links pra vídeos no You Tube, mas no momento estou sem acesso ao site de relacionamentos, em breve faço um update por aqui)
Observação pertinente: se você estiver em Belém no dia 9 de janeiro, esqueça o Rainha das Rainhas, esse acontece todo ano e é basicamente a mesma coisa. Aproveite sua noite e caminhe até o Mormaço na Cidade Velha, onde os Zés Manes da Dançum Se Rasgum realizarão o Grito do Rock com bandinhas, cerveja barata e ingressos idem.

Anúncios

10 Responses to “Pá, pá, pá, pá, pá, pá, páááááááá”


  1. 1 Marcushttp://marcuspessoa.blogspot.com janeiro 18, 2007 às 7:04 pm

    O que eu acho engraçado são as bizarras coreografias das rainhas sob o peso colossal das fantasias, e dos sorrisos falsos pregados permanentemente em seus rostos.

  2. 2 fláhttp://www.eleanorrigby.weblogger.com.br janeiro 18, 2007 às 7:04 pm

    pararapapapá, parapapá lalalalaaa lalaaaa, lalala, lala-lalá, pa-paaaia, pa-paaaia… lalala-lalalala-lálá LÁ papaPÁ…

  3. 3 Thalya janeiro 22, 2007 às 2:11 pm

    Esse ano eu vou ver de perto… Tô até anciosa, mas tenho que controlar os comentários, afinal eu assisto do mesmo jeito que tu…
    Beijos

  4. 4 nataliahttp://www.fotolog.com/alienobservador janeiro 22, 2007 às 2:11 pm

    eu detesto esse concurso tosco :)
    bj doda!

  5. 5 Tati janeiro 23, 2007 às 5:03 pm

    Olha, eu não sei até onde vai teu despeito. Saiba que esse ano terá uma candidata homenageando o Roupa Nova no RR. Quero ver se vais falar algo de desabonador dela. Só te digo fala!

  6. 6 Madel fevereiro 16, 2007 às 12:33 pm

    Mas isso é bom demais, rapaz! Eu vi alguns vídeos, ria sozinha… As explicações cheias de conceitos sobre as fantasias lembram os saudosos concursos com Clóvis Bornay (sei lá se é assim que escreve esse nome). E o que é a entrevista com a ganhadora de 2006? Ela levou a mãe junto, aí a jornalista faz umas perguntas e a mãe atropela a garota, não deixa ela responder, ficam aquelas falas sobrepostas. Delícia! Diversão garantida!

  7. 7 HUBER lOBATO maio 3, 2007 às 11:09 pm

    Gostaria de saber de quem é a vinheta do concurso rainha das rainhas…(pa, pa, pa,pa…) quem criou? como faço pra baixar da internet? ou conseguir?? por favor me responda!!!

  8. 8 charles pantoja janeiro 6, 2009 às 11:33 am

    O amigo vc não e Brasileiro? isso faz parte da nossa historia, vc e uma bicha recalcada,mal amada e sem cultura, o concurso e lindo as mulheres m+ ainda isso e nosso isso e Pará.

    Doda: eu adoro a cultura pantoja.

  9. 9 Julia janeiro 20, 2009 às 1:27 am

    Pá, pá, pá, pá, pá, pá, páááááááá

    Gente onde eu encontro essa múcisa? Me ajudem por favor !

    Obrigada de coração….

  10. 10 Cintia fevereiro 22, 2010 às 11:56 pm

    Adoraria saber onde posso baixar a música tbm! =D


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Fitas pessoais e umas opiniões definitivas incertas. Qualquer coisa, dá um alô no doda.doda@gmail.com

@dodavilhena

Encontre

Arquivão


%d blogueiros gostam disto: