Noites gastas

Como ensina a cartilha do blogueiro moderno: quando estiver sem assunto, faça uma lista.

Eis aqui então algumas das 5 piores apresentações musicais que já vi em São Paulo (veja bem, não são “as”, mas “algumas das”, porque de show ruim e cerveja cara a noite paulistana está cheia). Em breve posto 5 dos bão.

Devotos de Nossa Senhora Aparecida, CB, agosto de 2006.

Banda do ex-VJ Thunderbird, os Devotos fizeram com que eu e o amigo Randy Rodrigues nos deslocássemos até o CB em fria sexta-feira invernal para assistir uma das apresentações mais metidas a besta que já presenciei. É aquele estilo de show onde não rola interação ou ao menos uma piadinha com o público, se tocassem de costas ou atrás da cortina seria exatamente a mesma coisa. O som? Ah, sei lá, o show era tão ruim que preferi encher a cara e falar de mulher com o Randy do que tentar entender alguma das letras. Pra completar, a banda de abertura (não lembro o nome, sei apenas que eram catarinenses) era um equívoco monumental do começo ao fim, o vocalista tentava passar alguma atitude berrando como uma vizinha maluca e vestia um inacreditável kilt. O que me deixa mais puto é pagar pra ver isso.

Joe Lalliy, CB, novembro de 2006.

“Ele era do Fugazi, agora tá em carreira solo, vamo nessa!”, me falaram. Ainda pensei, “se o cara é um ex-integrante em carreira solo é porque deve estar investindo em alguma viagem musical diferente (e provavelmente perigosa)”. Bem, perigoso realmente seria a melhor palavra para definir o show do rapaz, pois ele quase consegue provocar um suicídio coletivo no lotado (e com ar-condicionado quebrado) buraco roqueiro da Barra Funda. Que eu lembre, essa foi a única vez em que vi boa parte do público cometer a indelicadeza de pedir o fim da apresentação. Imagine a trilha sonora para um momento no qual você tenta subir uma ladeira de madrugada, bêbado, arrasado, lento e deprimido, você é assaltado e leva um tiro no ombro, mesmo assim continua tentando subir até finalmente tombar perto de uma lata de lixo. Esse era o som.

Cidadão Instigado, Studio SP, janeiro de 2007.

Ok, esse eu admito que fui sabendo que a experiência seria ruim, afinal já achava a banda uma paranóia pé-no-saco que pode agradar ouvidos críticos, mas não os meus de público médio. Foi uma daquelas noites em que os amigos sugerem o lugar e você é voto vencido, ou mete a cara ou fica em casa assistindo Adult Swim. Foi uma das poucas vezes onde não escutei um único momento, nenhum momentozinho sequer de animação no show, qualquer riff que dê pra pular duas vezes e ensaiar um passo mais feliz. Não sei você, mas quando saio sexta ou sábado para um lugar onde estou pagando por uma banda, eu espero entretenimento, um mínimo intervalo semanal de animação sincera que me desperte um sorriso. Ok, o seu som é não é pra isso e eu respeito sua escolha, da próxima vez fico com o Adult Swim.

Vanguart e Moptop, Berlin, novembro de 2006.

Aqui as bandas não tiveram culpa, a responsabilidade foi praticamente toda do lugar, um buraco pequeno, apertado e perdido no meio da Barra Funda. Nada contra o tamanho e o aperto da casa, vários outros lugares são assim e são ótimos (vide Milo Garage), o problema era o som completamente distorcido que tornava a audição das bandas algo praticamente impossível. Ah, era noite de aniversário do lugar, então presumi que a lotação estivesse acima da média, isso talvez explique porque acabaram – antes das duas da manhã, cerveja, água, refrigerante e todos os outros itens baratos do estoque do bar, um exemplo de planejamento e estrutura. Mas calma lá, eu também tenho restrições com as bandas. Do Vanguart praticamente todos os meus amigos gostam (alguns ficaram amigos do pessoal da banda), eu até acho a molecada gente boa (talvez você tenha visto no Banda Antes da MTV, onde fizeram uma espécie de reality show com eles e mais algumas bandas excursionando pelo nordeste), mas o som é folk demais pra mim, passo. Já o Moptop eu achava legal no demo, que era distribuído gratuitamente no site até eles assinarem com a Universal, mas ao vivo achei a turma muito sem força. A tendência é que se pasteurizem com atitude rock pré-fabricada, como as bandas que fizeram companhia a eles na gravação deste DVD.

Anúncios

6 Responses to “Noites gastas”


  1. 1 Madel março 8, 2007 às 9:10 am

    Também, meu! Thunderbird e Devotos de Nossa Senhora Aparecida? Mereceu.

  2. 2 Irema março 8, 2007 às 11:04 pm

    Que engracadi! Eu vi o Moptop esta semana no Altas Horas! :)
    Beijos

  3. 3 Helena Kleugman março 10, 2007 às 6:57 pm

    Moptop é uma das melhores bandas de rock atualmente. Achei injusto e sem base o que escreveu. Se eles estivessem em um DVD de axé eles seriam tb? fala sério.
    Cabecinha.

    de qq jeito legal a sua iniciativa.
    beijos

  4. 4 flávia d. março 14, 2007 às 1:47 pm

    cidadão instigado é a melhor banda do brasil. se quiser pular vá no show da ivete sangalo, ehehehe!!!! ;oD

  5. 5 Laura abril 11, 2007 às 3:01 am

    Moptop é foda!
    Vanguart e Cidadão tb mandam ver!


  1. 1 Móveis Coloniais de Acaju « Trackback em março 26, 2007 às 1:56 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Fitas pessoais e umas opiniões definitivas incertas. Qualquer coisa, dá um alô no doda.doda@gmail.com

@dodavilhena

Encontre

Arquivão


%d blogueiros gostam disto: